menu
 
 

REN

Comunicados Comunicados
Comunicados

Media

‹ VOLTAR

Desenvolvimento das infraestruturas planeadas apesar da pandemia

 

  • EBITDA desce para 460,8M€ (-2%) em linha com corte na remuneração de ativos;
  • Resultado líquido de 97,2M€ (-11,1%), penalizado pela performance do EBITDA e aumento do imposto;
  • Custo médio da dívida recua para de 1,8% para 1,6%;
  • CAPEX sobe 42,6% e transferências para a exploração crescem 288,5%, para 309,1M€, resultado dos investimentos necessários para a transição energética em curso;
  • Conselho de administração propõe dividendo de 15,4 cêntimos por ação de acordo com o previsto no novo plano estratégico.


A REN - Redes Energéticas Nacionais apresentou um resultado líquido de 97,2M€ em 2021 (-11,1% vs 2020), penalizados por um recuo no EBITDA e aumento do imposto, apesar do contributo positivo dos resultados financeiros (-42,8M€ em comparação com -46,8M€ em 2020).

O EBITDA recuou 2% para 460,8M€, impactado pela menor remuneração dos ativos (-3,4M€), pela descida de 5,1M€ nos incentivos à racionalização económica dos investimentos (IREI) e pela subida dos preços da energia (5,0M€). O EBIDTA recebeu ainda o contributo positivo do negócio internacional, nomeadamente pelo desempenho da Transemel no Chile.

Contribuíram ainda para os resultados um menor custo da dívida (redução de 1,8% para 1,6%) e um aumento da taxa efetiva de imposto para os 44,9% (subida de 6,2M€ em comparação com 2020), incluindo a CESE.

Em 2021 a REN registou um forte crescimento de CAPEX que sobe 42,6% (para 73,8M€), bem como das transferências para a exploração que crescem para 309,1M€ (+288,5%), resultado dos investimentos necessários para a transição energética em curso, tendo a empresa continuado a recuperar grande parte do atraso causado pela pandemia em 2020.

Com estes resultados a REN consegue cumpir com todos os objetivos que tinha definido no seu plano de negócios em 2021.

A energia com origem em fontes renováveis chegou aos 59,2% do total da oferta (aprox.+0,7p.p. que em 2020). O consumo de eletricidade aumentou 1,4%, ao mesmo tempo que o consumo de gás natural diminuiu 4,6% devido ao decréscimo do uso de gás natural para geração de eletricidade (-9,7%).

Os níveis de qualidade de serviço mantiveram-se elevados, num contexto de consumo crescente da eletricidade. O tempo de interrupção médio na eletricidade foi de 0,05min mantendo-se em linha com o valor do ano anterior, enquanto que a taxa de disponibilidade combinada da transmissão de gás atingiu quase 100%.

Ao longo de 2021, um ano atípico em Portugal, em que a resiliência do setor energético Português foi testada, as equipas da REN trabalharam em permanência para garantir o transporte de energia em Portugal, não tendo sido posta em causa a continuidade do fornecimento energia de forma sustentada aos utilizadores das infraestruturas da empresa.

Tendo em conta os resultados de 2021, o Conselho de Administração da REN vai propor, na Assembleia Geral de Acionistas a realizar no dia 28 de abril, o pagamento de um dividendo de 15,4 cêntimos por ação, um valor em linha com a nova política de dividendos apresentada para o período 2021-24.